Como é mergulhar com o Grande Tubarão Branco na África do Sul?

Uma das principais atividades para se realizar na África do Sul é o mergulho com o tubarão-branco, uma experiência única e inesquecível, indicada para os viajantes mais corajosos, claro. O Grande Tubarão-Branco (Carcharodon carcharias) é um dos maiores peixes predadores existentes na Terra e mundialmente conhecido como o terror dos mares, isso se deve principalmente ao seu tamanho, que pode chegar a mais de 7 metros de comprimento e pesando mais de 2 toneladas.

Os primeiros vestígios do animal foram encontrados há mais de 15 milhões de anos e atualmente é possível encontrá-lo em diversos locais do mundo, especialmente onde a temperatura da água fique entre 12ºC e 24ºC, no entanto é no extremo sul da África onde estão as maiores populações do animal e portanto onde há também inúmeras empresas que oferecem o mergulho com o tubarão-branco.

tubarao-branco-viagens-incriveis

É importante ressaltar que embora seja uma atração turística bastante explorada no país, todas as empresas (legalizadas) que levam turistas até o local são credenciadas e não maltratam o animal de nenhuma forma. Como sabemos, e infelizmente acontece no mundo inteiro com animais, existem também empresas clandestinas que não se preocupam com o meio-ambiente e muito menos com os animais. Ou seja, pesquise bem as empresas antes de fazer qualquer tipo de turismo com animais, isso é um assunto muito sério.

Fizemos esse passeio quando estivemos na Cidade do Cabo, uma das cidades mais lindas e desenvolvidas da África do Sul. O hotel onde ficamos hospedados na cidade, Hotel The Regency, nos deu diversos flyers e panfletos de atividades turísticas na região e o mergulho com o grande tubarão-branco já estava na lista! Como disse, há dezenas de empresas que fazem o passeio, portanto vale a pena ler sobre todas elas, verificar sua reputação e o preço, é claro.

Na ocasião, fizemos nossa reserva de passeio com a White Shark Adventures, que oferecia o serviço de transporte do hotel até a cidade de Gansbaai, onde estão localizadas grande parte das empresas de mergulho com tubarão-branco, um café-da-manhã, uma refeição e alguns pontos de paradas estratégicos na estrada. Tudo isso pelo preço de R 1.450 (rands, a moeda local) ou aproximadamente R$ 335 reais por pessoa.

Veja abaixo o mapa com a rota que fizemos e os principais pontos de interesse da região que o Viagens Incríveis destacou:

Como podem observar no mapa, indicamos alguns pontos de paradas interessantes e que recomendamos, caso venham a fazer esse roteiro. Lembre-se que o passeio que fizemos foi de um dia, partindo da Cidade do Cabo. Fique atento e pesquise bastante, pois outras agências podem oferecer pacotes, rotas, serviços e preços diferentes, ok?

Como nosso passeio era de apenas um dia, logo pela manhã (aproximadamente às 05:00 da manhã) o motorista da van nos pegou no Hotel The Regency, localizado no bairro de Sea Point (excelente opção, inclusive), e partimos rumo à Gansbaai, no extremo sul da África. Embora poucas pessoas saibam, muitas celebridades de Hollywood e residentes sul-africanos de alta renda possuem casas de veraneio nessa região, isso por que no verão é um excelente ponto para aproveitar as praias e em algumas épocas do ano, especialmente no inverno, é possível avistar baleias.

Ao chegar em Gansbaai, fomos todos recebidos pela equipe da White Shark Adventures em sua sede. Lá tivemos o café-da-manhã, seguido de um briefing completo, com todos os detalhes da atividade, tiraram todas as eventuais dúvidas e explicaram inclusive todos os perigos que envolviam o passeio. A atividade é permitida para crianças e adultos, não exigindo nenhuma habilidade especial ou curso de mergulho, afinal o “mergulho” é feito em jaulas.

Sede da White Shark Adventures em Gansbaai. Foto: Marcel Bruzadin

Não se enganem, como dissemos, o tubarão-branco é um animal selvagem e extremamente perigoso se as devidas precauções não forem tomadas, para isso, todos os membros devem assinar um termo de responsabilidade antes de iniciar a atividade.

Uma informação interessante: nenhuma das agências credenciadas tem a permissão para alimentar os tubarões durante o passeio, esse controle é bastante rígido pois os animais não podem se acostumar com comida fácil, isso faria com que os tubarões deixassem de caçar e viver no seu habitat de forma natural.

As embarcações que a White Shark Adventures utiliza em seus passeios é chamada de “Nemo” e tem capacidade para pouco mais de 10 pessoas, incluindo a tripulação que organiza e passa todas as instruções aos turistas. A viagem até o ponto exato para encontrar os tubarões dura entre 30 e 40 minutos em um mar bastante agitado e gelado no inverno. Durante a viagem tivemos a companhia de algumas gaivotas que nos acompanharam durante todo o passeio.

Gaivotas atraídas pelo forte cheiro de peixe vindo do barco. Foto: Marcel Bruzadin

As aves acompanham praticamente todas as embarcações, atraídas principalmente pelo cheiro de peixe do barco. Como é possível ver na foto, os pedaços de peixes não são utilizados para alimentar os tubarões, como disse anteriormente, apenas para atraí-los.

Dica: Caso você tenha sensibilidade ao navegar em mares agitados, é altamente recomendado fazer o uso de algum medicamento para que não fique mareado. Como o ponto de encontro com os tubarões é feito em alto mar, há uma grande movimentação de ondas e caso se sinta mal, seu passeio pode ser totalmente frustrante.

Todos os mergulhos com o tubarão-branco são feitos em jaulas preparadas para proteger os turistas, provavelmente você já deve ter visto na televisão ou na internet como são. Elas garantem que os animais não ataquem, no entanto, é preciso ter o bom senso, afinal um braço ou uma mão pra fora da jaula pode ser realmente fatal.

Veja o vídeo-tour do nosso passeio:

Todos os mergulhos são filmados pela própria equipe da White Shark Adventures e vendidos separadamente aos turistas participantes do passeio. O DVD custa cerca de R 50 (rands), pouco mais de R$ 10, ou seja, vale bastante a pena. Além disso, ao finalizar o passeio, todos os integrantes recebem um certificado simbólico de sobrevivência ao Grande Tubarão-Branco.

Tubarão-branco se aproximando do barco. Foto: Marcel Bruzadin

Após todo o passeio com os tubarões de Gansbaai, que tem duração total de cerca de 4h30, retornamos para a van onde faríamos a viagem de volta à Cidade do Cabo, com algumas paradas programadas durante o caminho.

Como mencionamos e também é possível ver no mapa personalizado que deixamos disponível acima, próximo a Gansbaai há alguns pontos onde é possível avistar a migração das baleias, que ficam próximas à costa africana. Isso ocorre com uma frequência maior no período de junho até final de novembro, época em que as baleias migram para águas mais quentes.

Além da possibilidade de avistar baleias, toda a paisagem da estrada sul-africana vale muito a pena! Aliás, é importante ressaltar que o visual das estradas da África do Sul são consideradas uma das mais bonitas do mundo, ou seja, todo o caminho é recompensador. Após entrarmos na van, eu estava esperando por um dos pontos altos do passeio, depois dos tubarões (claro), a parada para encontrarmos babuínos soltos pelas matas da região.

Babuínos são tão comuns que todas as estradas são sinalizadas. Foto: Marcel Bruzadin

Os babuínos são animais em abundância na África do Sul, tanto é que nas estradas há dezenas de placas informando os motoristas para tomarem cuidado e não atropelar os animais. Com o grande avanço das cidades, o habitat dos animais acabou ficando restrito e hoje em dia é muito comum que os babuínos invadam as residências da região. Mesmo assim, até então não tínhamos visto nenhum deles, somente as placas nas estradas.

Foi então que resolvemos parar em um “mirante” cerca de 30 minutos antes de chegar efetivamente de volta à Cidade do Cabo (veja no mapa no início do post).

O mirante é realmente lindo, principalmente se estiver próximo ao entardecer. Lá é possível admirar a paisagem, tirar fotos e inclusive comprar alguns souvenirs feito à mão pelos sul-africanos. Foi durante essa parada que diversos babuínos se aproximaram de nós e observavam tudo o que fazíamos. Infelizmente esses animais já se acostumaram com a frequente chegada de turistas àquele local e muitas vezes acabam roubando seus alimentos, como frutas, bebidas e até mesmo salgadinhos industrializados. Estávamos sem nenhum tipo de comida, mas ainda assim os animais ficavam bem próximos à nós e observando atentamente o que fazíamos.

Fascinante ficar tão próximo de um animal como este!

Babuíno no “mirante” próximo a Cidade do Cabo. Foto: Marcel Bruzadin

Dica: Embora pareçam inofensivos, os babuínos selvagens podem ser extremamente perigosos, inclusive podendo atacar humanos. Caso veja algum deles na África do Sul, evite ficar próximo do animal.

Em resumo, o passeio para fazer o mergulho com o grande tubarão-branco é fantástico, principalmente para quem sempre teve a curiosidade de ficar frente à frente com um animal desses. A experiência é única e embora seja um pouco cara, acredito que valha muito a pena sim. Como disse, não limite-se apenas em curtir somente o mergulho com o tubarão, aproveite todas as paradas nas estradas e o visual sensacional que a África do Sul proporciona. Lembre-se também de sempre pesquisar na internet sobre a empresa que você está pensando em contratar, o turismo animal tem que ser feito de forma consciente, em qualquer lugar do mundo!

Você também teve essa experiência na África do Sul? Conte nos a sua experiência através dos comentários abaixo.

 

Autor: Matheus Giácomo

Entusiasta da fotografia e publicitário de profissão, sou um viajante frequente pelo mundo com vontade de desbravar países e continentes a cada nova oportunidade.

Compartilhe este post em