Como é fazer um trabalho voluntário na África do Sul?

Nos últimos meses temos recebido muitos e-mails e mensagens de leitores perguntando como fazer um trabalho voluntário na África do Sul. Tive a oportunidade de viver essa experiência quando fui trabalhar como voluntário no Lion Park em Joanesburgo, África do Sul e esse post visa tirar as principais dúvidas de quem tem interesse em fazer algo semelhante, seja na África ou em outro lugar do mundo.

Na minha opinião, essa é uma das maiores/melhores experiências que uma pessoa pode viver, digo isso por que você poderá agregar diversas oportunidades em uma única viagem. No meu caso, havia programado as férias do meu emprego para me dedicar a 3 semanas na África. Apesar de nunca ter estado no continente africano antes, sempre tive muita curiosidade sobre o continente, principalmente por conta dos safáris, o povo local e a oportunidade de ficar frente a frente com animais que não estamos acostumados aqui no Brasil e foi no trabalho voluntário que encontrei a oportunidade de aliar todas as oportunidades.

Hoje em dia há muitas pessoas que têm interesse em fazer um trabalho voluntário, seja no Brasil ou no exterior, mas não sabem por onde começar e muitas vezes acabam desistindo da ideia por não encontrarem informações tão facilmente, esperamos que com esse post possa te ajudar e incentivar a realizar esse sonho.

Antes de qualquer coisa é preciso ter em mente qual é o seu objetivo em trabalhar como voluntário, ou seja, o que você espera agregar – seja pra você ou para o local onde pretende ir. Se procurar na internet, verá que há oportunidades para trabalhar como voluntário com animais, meio-ambiente, idosos ou crianças, basta você identificar o que mais lhe agrada e não se esqueça que embora você esteja viajando, você está lá para ajudar e não só para passear.

AONDE E COMO IR?

Quando decidi que queria fazer um trabalho voluntário fora do país, comecei pela incessante busca de informações na internet, basicamente através de fóruns e blogs fora do Brasil (na época não haviam blogs brasileiros que abordassem o tema de forma profunda). Eu já estava decidido que queria trabalhar com animais, mas não sabia para onde ir e nem como, foi então que vi as oportunidades da África. A partir daí descobri que existiam centenas de projetos de voluntariado pelo mundo, sendo grande parte deles em países sub-desenvolvidos, como África do Sul, Namíbia, Índia, Tailândia, Peru, Nepal, Tanzânia, entre outros.

Como eu já tinha interesse pela África, acabei decidindo por esse continente, mas para qual país ir? O continente africano possui mais de 50 países! Depois de pesquisar muito a respeito, acabei encontrando dois projetos que me identifiquei bastante, o Namibian Wildlife Project na Namíbia e o Lion Park na África do Sul. A partir disso comecei a pesquisar sobre esses destinos, a cultura, as atividades, segurança, estrutura, etc., e por conta da localização acabei optando pelo Lion Park, na África do Sul.

Até essa etapa do processo eu não tinha ido atrás de nenhuma agência brasileira de intercâmbio, todas as informações que obtive foram via internet, inclusive é possível fazer tudo online diretamente com o programas voluntariado de lá, grande parte deles organizados pela Volunteer Southern Africa. Foi em uma dessas pesquisas que acabei descobrindo que a CI – Central de Intercâmbio (esse post não é patrocinado) intermediava a inscrição para diversos programas de voluntários pelo mundo e por sorte o Lion Park também, fui até a agência mais próxima e tirei todas as dúvidas pertinentes. Como já havia lido bastante a respeito do programa através da internet, o ponto principal era realmente as formas de pagamentos e a confiabilidade do Lion Park.

Hoje a CI não comercializa mais o programa do Lion Park, mas há diversas outras opções de programas com eles, na STB – Student Travel Bureau e na Experimento, que são as maiores agências de intercâmbio do país.

Dica: Leia bastante sobre o programa de voluntariado que pretende fazer, saiba exatamente o que está incluso ou não, quais serão suas tarefas e obrigações, esse passo é importante para que você não seja surpreendido quando chegar lá. Como disse, é totalmente possível fazer a inscrição dos programas de voluntariado online, isto é, sem o intermédio de agências brasileiras, no entanto, vale a pena pechinchar e comparar os preços para tudo. Pessoalmente acho que ao fazer a inscrição por uma agência de intercâmbio pode lhe ajudar caso tenha algum tipo de problema por lá, afinal imprevistos acontecem.

QUANDO IR?

Embora não pareça, este é, provavelmente, um dos tópicos mais importantes para você levar em consideração antes de fechar o seu programa de voluntariado pra fora do país. Lembre-se, estude bem o destino para onde você está indo, principalmente o clima. Pode parecer bobagem, mas este é um detalhe que pode prejudicar muito a sua viagem e digo isso por experiência própria. Fiz o voluntariado na África do Sul em pleno inverno e confesso que subestimei o frio sul-africano, passei muito frio simplesmente por não ter me preparado melhor.

No programa do Lion Park, os voluntários ficam em “barracas-tenda” que acomodam até 4 pessoas, em quatro camas individuais. Apesar de ser uma barraca fixa, no inverno o vento gelado castiga até quem está agasalhado e dormir sem aquecedores nessa época é algo impensável. Em uma das noites, com temperaturas abaixo de 0ºC, houve queda de energia no parque todo, ou seja, todos os aquecedores desligados e posso dizer que mesmo usando todas as minhas roupas o frio foi terrível.

Por sorte, durante as três semanas que estive no Lion Park, eu fui o único voluntário brasileiro lá, isso foi muito bom para aprimorar o inglês, afinal não tinha com quem falar português, a não ser alguns visitantes do parque que eram do Brasil ou de Portugal que passavam por lá durante visita a Joanesburgo.

PASSAGENS AÉREAS

Esse tópico tem muita relação com o anterior, justamente por que o valor das passagens aéreas está diretamente relacionado com a época do voo. Para evitar pagar uma fortuna nas passagens aéreas, evite a viagem nas épocas de alta temporada, ou seja, o mês de julho, dezembro, janeiro e meados de fevereiro. Isso vai depender muito da sua disponibilidade para viajar, claro, mas vale a pena ficar atento ao Melhores Destinos, um dos melhores sites de promoção de passagens aéreas do Brasil que conta inclusive com um app pra celular que notifica promoções em tempo real (iOS e Android), veja o nosso post sobre como pagar barato nas passagens aéreas.

Atualmente há algumas possibilidades para se chegar até a África do Sul saindo do Brasil, entre as mais comuns são os voos operados pela brasileira Latam e South African, que operam na rota São Paulo (GRU) – Joanesburgo (JNB). Não temos como saber quando você está lendo esse post, mas nos últimos dias houve promoções a partir de R$ 1.567 ida e volta com taxas, publicado pelo Melhores Destinos.

Dica: Ao fechar o programa de voluntário por uma agência de intercâmbio certamente oferecerão as passagens aéreas junto com o pacote do voluntário, no entanto, vale a pena verificar a possibilidade e valores para compra do seu voo separadamente. Lembre-se, a melhor forma de economizar dinheiro numa viagem é planejando bem.

SEGURO VIAGEM

Durante as três semanas que fiquei na África do Sul não precisei utilizar o seguro viagem e é muito provável que você também não utilize, no entanto, é essencial que você tenha um plano que lhe assegure uma proteção caso algo ocorra com você, principalmente se estiver fora do seu país e em um país remoto. Se você vier a fechar o programa de voluntário com alguma agência de intercâmbio, é bem provável que lhe ofereçam o seguro saúde parceiro deles. Avalie a cobertura e valores do seguro viagem que a agência de intercâmbio lhe oferecer e compare com os outros seguro-saúde existentes no mercado. Todos eles podem ser feitos online de forma bem prática e rápida.

Veja abaixo alguns seguro-saúde e viagem:

Cada seguro possui um tipo de plano de cobertura e diferentes propostas e valores, por isso é importante que verifique cada detalhe e qual deles mais se encaixa melhor à sua viagem.

Dica: Fique atento ao período de cobertura ao comprar o seu seguro viagem. É extremamente importante que você esteja coberto do dia do seu embarque até o dia exato do seu retorno, e caso você altere a data de retorno por algum motivo, não se esqueça de ligar na empresa em que você emitiu seu seguro-saúde e atualizar, lembre-se, imprevistos acontecem.

ACOMODAÇÃO e ATIVIDADES

Sem dúvida isso vai variar muito de acordo com o país onde você está indo e o tipo de programa que você está fazendo. No caso do Lion Park, como disse anteriormente, os voluntários ficam “hospedados” em barracas-tenda na área de acampamento do parque. Isso quer dizer que você terá uma estrutura mínima, com cama, roupa de cama, cozinha compartilhada para preparar as refeições e banheiros. Em relação à refeição, todos os domingos íamos ao supermercado para comprar a comida da semana. Alguns locais podem oferecer a refeição inclusa, por isso vale a pena olhar com atenção esses detalhes antes de fechar o programa.

De modo geral você não deve esperar por luxo, afinal você está indo para um local que precisa de mão de obra e para executar os mais diferentes trabalhos, portanto, entre de cabeça na proposta e dedique-se ao seu trabalho, você aprenderá muito com isso. No Lion Park, as atividades dos voluntários eram organizadas por uma coordenadora dos voluntários, que se encarregava de separar o trabalho de cada um, com um revezamento diário para que todos fizessem todas as atividades.

As atividades variam entre limpar os espaços dos filhotes de leão, preparar as refeições dos animais, alimentá-los efetivamente (leões, hienas, guepardos, suricatos, girafas, etc), auxiliar os veterinários que trabalham no parque, além de participar ativamente como um funcionário dentro do parque. Importante ressaltar que para essas atividades não é necessário que você tenha um inglês avançado, mas o nível intermediário é recomendado para que você consiga se comunicar bem com os demais voluntários/membros do parque e realizar todas as tarefas sem nenhum problema.

É claro que você deve alertar os organizadores do voluntariado sobre os seus limites para que você não faça algo que não suportaria. Por exemplo, uma das nossas atividades era cortar carne de vaca, cavalo e zebra para que pudéssemos alimentar os leões e geralmente recebíamos um pedaço da perna do animal (ainda com pele), e algumas pessoas simplesmente não conseguiam, no entanto, são atividades comuns para quem está lá.

Durante o meu voluntariado tive a oportunidade de trabalhar com pessoas do mundo todo e essa é uma das grandes vantagens ao vivenciar uma experiência dessa. Haviam pessoas da Austrália, Suécia, México, Inglaterra, Sri Lanka, Polônia, Sul-Africanos entre outros, e a troca de informações entre diferentes pessoas é fantástica. É interessante ter a chance de poder trabalhar com pessoas que você mal conhece, que vêm de outro lugar do mundo, de diferentes classes sociais e que estão lá pelo mesmo motivo que você. No caso do Lion Park, nossas atividades começavam às 08h00 e se encerravam às 17h00, com cerca de 1h30 de almoço por dia.

DAY-OFF

Isso pode variar de acordo com o programa que você estiver pensando em fazer, mas no meu caso tínhamos um dia de folga para cada semana trabalhada, ou seja, eu tive 3 dias de folga para poder aproveitar um pouco mais da África do Sul. Ao invés de folgar uma vez por semana, juntei as três semanas e fiz uma viagem até a Cidade do Cabo, cerca de 1.400 km de distância de Joanesburgo. Você pode, inclusive, tentar organizar uma viagem com algum outro voluntário que está com você, assim você não viaja sozinho. No meu caso optei viajar sozinho para Cidade do Cabo pois os demais voluntários preferiram conhecer mais de Joanesburgo mesmo.

Os dias de folga são importantes para que você consiga aproveitar um pouco mais da África e passear, claro. Como fiz a viagem até Cidade do Cabo de avião, com a Kulula, tive bastante tempo para aproveitar a cidade, visitar a Table Mountain, ver as praias, pinguins, os restaurantes, um tour sightseeing e inclusive fazer um mergulho com o grande Tubarão Branco no extremo sul da África. A África do Sul possui inúmeros atrativos, então mesmo que você tenha interesse em conhecer mais da região de Joanesburgo, certamente encontrará atividades para fazer por lá, como Soweto, Museu do Apartheid, Monte Casino, Estádio Ellis Park, casa de Nelson Mandela, o berço da Humanidade (Cradle of the Humankind), entre muitas outras opções.

mergulho-com-o-tubarao-branco-africa-do-sul-048-2

Não se engane, a África do Sul é, sem dúvida, o país mais desenvolvido do continente africano, no entanto, é preciso ressaltar que infelizmente o país é muito pobre e com uma enorme diferença social com muitas favelas e situação habitável bastante crítica, não muito diferente do que estamos costumados a ver no Brasil, mas ao visitar um país estrangeiro tenha todos os cuidados possíveis ao andar pela cidade, especialmente em Joanesburgo. Logo que cheguei à cidade, fui fortemente recomendado pelos locais para utilizar somente os táxis/Uber que eles nos recomendaram. Confesso que não tive problema nenhum por lá – somente uma noite em que fomos abordados pela polícia local – mas fica a dica.

PASSEIOS

Um dos pontos altos do voluntário que realizei era a possibilidade de poder fazer alguns passeios, já inclusos, interessantes pela região de Joanesburgo, entre elas o safári de um dia no Parque Nacional de Pilanesberg, na região nordeste da África do Sul. O Parque Nacional de Pilanesberg é uma ótima opção para quem está em Joanesburgo, principalmente por estar somente 3 horas de carro.

Muitos viajantes acabam fazendo o safári no Parque Nacional do Kruger, que é o maior parque nacional da África, no entanto fica bem mais distante.

Em Pilanesberg, com uma área aproximada de 550km², é possível encontrar mais de 7.000 espécies diferentes de animais, entre eles o Big Five (leão, leopardo, elefante, búfalo e rinoceronte). A título de curiosidade, o Big Five tem esse nome não pelo tamanho desses animais e sim pela dificuldade de caçá-los a pé no século XIX, quando exploradores chegaram para colonizar as terras africanas. Infelizmente a caça de animais na África ainda é um dos crimes mais recorrentes no continente e que geram milhões de dólares aos bandidos que praticam o tráfico de animais ou suas presas, como o marfim, um dos itens mais valiosos no mercado negro.

Dica: Se você se interessa pelo assunto, não deixe de assistir o documentário “O Extermínio do Marfim” produzido pela Netflix.

Veja abaixo algumas fotos do safári que fizemos no Parque Nacional de Pilanesberg:

CUSTO

Os custos para realizar um trabalho voluntário fora do país variam de acordo com o país desejado e o tipo de programa. Geralmente o voluntário paga uma taxa que contempla todos os seus custos durante o programa, como refeição, “hospedagem”, entre outros e na grande maioria das vezes são pagos em dólares americanos.

No caso do Lion Park, o trabalho voluntário é realizado por semanas, sendo que o mínimo são de 2 semanas. O período que você for ficar pode depender bastante da sua disponibilidade, mas cerca de 3 ou 4 semanas é o prazo médio que os voluntários costumam fazer. Atualmente o custo para o programa de trabalho voluntário no Lion Park é de US$ 1.350 por duas semanas e inclui “hospedagem” e alimentação durante o período.

Caso tenha interesse em saber mais informações sobre o trabalho voluntário no Lion Park, o e-mail de contato é: volunteering@lionpark.com

Autor: Matheus Giácomo

Entusiasta da fotografia e publicitário de profissão, sou um viajante frequente pelo mundo com vontade de desbravar países e continentes a cada nova oportunidade.

Compartilhe este post em